Nesta semana, a CoinDesk, agência de notícias especializada no universo das criptomoedas, liberou o relatório “State of Blockchain” aos leitores através do seu site. Organizado pela empresa desde 2014, o relatório é feito a cada trimestre (os chamados quarters) traz dados completos sobre o mercado de criptoativos.

O documento é considerado um dos mais importantes relatórios de análise do mercado, pois traz, em quase 100 páginas, análises completas sobre vários aspectos: desde preço, valor de mercado, tendências, poder de mineração e expectativas dos investidores. Além dos gráficos, o relatório traz um questionário para os investidores, que busca avaliar as visões do mercado e as expectativas para o médio/longo prazo.

Segurança, dominância e preço

O documento começa trazendo gráficos que mostram a já conhecida tendência de queda que as moedas experimentaram durante o início do ano. Segundo o documento, a queda no preço do Bitcoin no período chegou a 51%, contra 48% do Ether, 72% do Bitcoin Cash e 78% da Ripple.

Apesar da notícia negativa, o documento também aponta um dos principais pontos positivos que ocorreram no período: a queda nas taxas de transação em praticamente todos os ativos. Com o aumento da adoção do SegWit por parte das exchanges, as taxas na rede do Bitcoin desabaram: a queda chegou a incríveis 97%. O Bitcoin Cash veio logo atrás, com 90% de redução nas taxas. A dominância do Bitcoin no mercado voltou a crescer, passando de 37% no início do ano para 47% agora.

Apesar do preço em queda, o relatório mostra que os fundamentos de segurança da rede têm aumentado. O hashrate da rede – quanto maior o hashrate, mais resistente a uma ataque a rede se torna – experimentou um aumento de 47% nos três primeiros meses do ano, de 15 milhões de terahashes para mais de 25 milhões. Isso mostra que a rede, que segue há quase 10 anos sem nunca ter sido violada em sua segurança, continua como a mais segura entre todos os criptoativos.

Em uma das telas do relatório, a CoinDesk destaca que o Bitcoin apresenta uma rede mais segura do que no passado, porém está com metade do preço em relação ao início do ano. Uma rede segura com um preço bastante descontado.

O aumento do hashrate, aliás, é um dos grandes pontos de destaque do Bitcoin sobre um de seus “concorrentes”, o Bitcoin Cash. Enquanto o Bitcoin responde por estonteantes 88% do hashrate, o Bitcoin Cash possui apenas 12%. Levando em conta os dados, o BTC possui uma segurança quase nove vezes maior do que a rede do BCH.

As ofertas iniciais de moedas (ICOs, na sigla em inglês) também foram destaque no relatório. A CoinDesk trouxe um gráfico com o aumento da procura por esse tipo de financiamento, com a área de maior destaque (o círculo grande no canto inferior) para a ICO do aplicativo Telegram, que tornou-se a maior da história, mesmo sem ter aberto uma venda pública.

Visão dos investidores

A CoinDesk sempre traz um questionário no final do relatório, o qual possui o objetivo de trazer dados direto da comunidade através de pesquisas sobre diversos temas. E os dados deste ano trazem algumas conclusões interessantes sobre o sentimento dos investidores em relação ao mercado de baixa dos criptoativos.

Entre os respondentes, 92% compraram algum ativo em 2017, sendo que 68% desse total compraram no final do ano – exatamente na época do grande rally de alta, no qual o Bitcoin chegou a custar quase US$20 mil, e o mercado de criptoativos chegou a valer quase US$1 trilhão.

A pesquisa questionou sobre quando os entrevistados começaram a comprar. 55% deles compraram em 2017, um aumento de 500% em relação aos usuários ativos em 2016. 10% afirmaram ter entrado no mercado nos primeiros três meses de 2018.

Sobre a forma de compra utilizada, 18% dos usuários afirmaram que compraram criptoativos usando cartão de crédito. Dentre estes, 58% já conseguiram pagar os custos de aquisição dos ativos comprados.

Em relação ao otimismo demonstrado pelos entrevistados, os dados são interessantes. Ao passo de que 69% deles acreditavam que o mercado terminaria o primeiro trimestre do ano em baixa (como de fato ocorreu), 56% se mostraram mais otimistas, ao acreditarem que a queda atual não significa um período prolongado de baixa do mercado.

Sobre os possíveis motivos para a queda, houve uma maioria absoluta de opinião: 86% acreditam que a baixa foi motivada por causa de um grande movimento de especulação, motivado por grandes players ou por pessoas que entraram no mercado sem o conhecimento adequado para investir. 48% afirmaram que aprenderam mais sobre o funcionamento dos softwares dos criptoativos e sobre a comunidade com o movimento de queda.

Conclusão

Os dados apresentados pela CoinDesk revelam que um novo tipo de investidor está presente no mercado. Com a queda abrupta de preço, as pessoas passaram a buscar aprender mais sobre o mercado, a tecnologia e conhecer melhor os ativos nos quais investem, antes de comprar mais ou mesmo de vender suas moedas.

O otimismo em relação ao momento turbulento pode indicar que os usuários que se mantiveram no mercado já possuem uma maior experiência, e acreditam em um cenário positivo no longo prazo. Cenário esse que, por sinal, se repetiu com grande entusiasmo em 2017 – e vem se repetindo constantemente nos quase 10 anos de existência do Bitcoin.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.