A pré-venda do petro fechou ontem depois de um mês e alcançou um montante superior a US$ 5 bilhões em intenções de compra

Venezuela: o parlamento considera o Petro uma moeda “ilegal” que viola a Constituição (John Moore/Getty Images)

Caracas – O ministro de Educação Universitária, Ciência e Tecnologia da Venezuela, Hugbel Roa, anunciou nesta quarta-feira o início da oferta pública do petro, a criptomoeda lançada pelo governo do país e que tem as reservas de petróleo nacionais como lastro.

“Já iniciou a IPO (oferta pública inicial) Petro”, disse no Twitter o ministro, sem dar mais detalhes.

A Agência Venezuelana de Notícias (AVN) informou que a pré-venda do petro fechou ontem depois de um mês e alcançou um montante superior a US$ 5 bilhões em intenções de compra.

“Este processo contou com a participação de 127 países, entre eles se destacam Afeganistão, Argentina, Brasil, Bolívia, Equador, Rússia, Chile, Colômbia, Coreia do Sul, Cuba, Espanha, Estados Unidos, França, Japão e China”, disse a AVN.

O Parlamento venezuelano, de maioria opositora, declarou nulo o decreto da emissão da criptomoeda pois, como alegou, se trata de uma moeda “ilegal” que viola a Constituição.

A Câmara também rejeitou a pré-venda e alertou aos potenciais compradores sobre a “ilegalidade” desta divisa.

Na declaração, o Legislativo citou artigos da Constituição e de leis vigentes no país segundo os quais é proibido usar as reservas nacionais como garantia, como ocorre com o petro que, segundo o governo de Nicolás Maduro, terá como lastro 5 bilhões de barris de petróleo, além de outros minerais.

Além disso, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou uma ordem executiva pela qual proíbe aos cidadãos do país “todas as transações” com “qualquer moeda digital” emitida pelo governo venezuelano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.